O Feminino e o Sagrado um jeito de olhar o mundo

Pensamentos e imagens

Cresci brincando no chão, entre formigas. De uma infância livre e sem comparamentos. Eu tinha mais comunhão com as coisas do que comparação. Porque se a gente fala a partir de ser criança, a gente faz comunhão:de um orvalho e sua aranha, de uma tarde e suas garças, de uma pássaro e sua árvore. Então trago das minhas raízes crianceiras a visão comungante e oblíqua das coisas. 

Manoel de Barros 

Nesses belos dizeres do meu amado poeta, está uma lição preciosa sobre como educar crianças que cuidem do nosso planeta! 
Se temos essa visão “comungante” não tem como a gente não se sentir , no mais profundo de nós mesmos, filhos de Gaia! 
 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *