O Feminino e o Sagrado um jeito de olhar o mundo

Pensamentos e Imagens

 

Períodos de “não-saber” são parte do cenário de tornar-se autenticamente íntegra, em contato com o poder e a autoridade interiores. 
Joan Borysenko 

 Como é difícil, para nós, suportarmos não saber! 
 Na nossa falta de fé na vida, não confiamos no processo e no deixar fluir. 
 Na nossa cega crença que tudo devemos planejar, controlar, ter metas e total   clareza, deixamos escapar experiências vitais: uma delas são esses momentos de vazio. 
 “Não-saber” significa, muitas vezes, que algo novo e maior do quem somos hoje está sendo gestado dentro de nós. 
 Sustentar esses momentos faz parte da jornada heróica de nos tornarmos nós mesmos!
 

2 comentários

  1. De fato, suportar a angústia da espera, do "vazio", é um desafio constante a nos chamar e a nos provocar. Acredito ser esta uma etapa arquetípica da jornada, que o tempo todo nos convoca a aceitar a realidade do não-controle, nos provocando a seguir o chamado interno que às vezes teimamos em não ouvir.
    Façamos desta época tão propícia, o inverno, uma oportunidade de recolhimento para ouvirmos os apelos da alma.

  2. Concordo totalmente contigo! Acho que é desse "vazio", inclusive, é que brota o NOVO. Pena não termos ritos que nos ajudem a atravessar momentos como esse que parecem travessias de deserto. Mas, como tudo tem uma outra perspectiva possível, não ter ritos na cultura para isso, abre oportunidade para criarmos os nossos!
    Cris

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *