O Feminino e o Sagrado um jeito de olhar o mundo

Jung fala

A consciência deveria defender sua razão e suas possibilidades de autoproteção, e a vida caótica do inconsciente também deveria ter a possibilidade de seguir o seu caminho, na medida em que o suportarmos. Isto significa combate aberto e colaboração aberta ao mesmo tempo. Assim deveria ser evidentemente a vida humana. É o velho jogo do martelo e da bigorna. O ferro que padece entre ambos é forjado num todo indestrutível, isto é, num individuum. É aproximadamente a isso que denomino “processo de individuação”. 

OS ARQUÉTIPOS E O INCONSCIENTE COLETIVO – 9/1 – pág. 288

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *