O Feminino e o Sagrado um jeito de olhar o mundo

Jung fala

(…) quando seguimos o caminho da individuação, quando vivemos nossa vida, é preciso também aceitar o erro, sem o qual a vida não será completa: nada nos garante – em nenhum instante – que não possamos cair em erro ou em perigo mortal. Pensamos talvez que haja um caminho seguro; ora, esse seria o caminho dos mortos. Então nada mais acontece e em caso algum ocorre o que é exato. Quem segue o caminho seguro está como que morto. 

 MEMÓRIAS, SONHOS, REFLEXÕES – pág. 259

1 comentário

  1. Jung, um dos meus mestres… Perfeita reflexão… "Quem segue o caminho seguro está como que morto."

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *