O Feminino e o Sagrado um jeito de olhar o mundo

MULHERES MARCANTES: Nair de Tefé (1886/1981)


Nair de Tefé von Hoonholtz, mais conhecida como Nair de Tefé, foi uma caricaturista, a primeira caricaturista mulher do Brasil e uma das primeiras do mundo. Foi também pintora, cantora, atriz e pianista. Além disso, Nair de Tefé foi a primeira-dama do Brasil de 1913 a 1914.
Filha do barão de Teffé, Nair estudou na França, para onde se mudou com um ano de idade. Ao regressar ao ao Brasil,já adulta, iniciou sua carreira.  

Sentiu bem cedo forte inclinação para a arte da caricatura. Iniciou-se, com pseudônimo de Rian (Nair de trás para frente), na revista Fon-Fon! (1907), fazendo portrait-charges (retrato caricatural de indivíduos) de figuras da alta sociedade e das elegantes da época. A partir de 1910 expõe na Galeria das Elegâncias, série de caricaturas das principais figuras femininas da sociedade carioca. Também publicaram suas caricaturas os periódicos O Binóculo, A Careta, O Ken e os jornais Gazeta de Notícias e da Gazeta de Petrópolis. Rian também colaborou em publicações parisienses, como Fantasio, Le Rire e Fémina, além de ter ilustrado livros como “The beautiful Rio de Janeiro”, de Alfred Gray Bell(Londres, 1914) ou “Petrópolis, a encantadora”, de Otto Prazeres (Rio de Janeiro, 1922).
Deixou de exercer sua carreira como caricaturista em 8 de dezembro de 1913, ao casar-se com o presidente do Brasil, o marechal Hermes da Fonseca.

 Nair de Tefé foi uma mulher à frente de seu tempo. A primeira-dama promovia saraus no Palácio do Catete – o palácio presidencial brasileiro da época -, que ficaram famosos por introduzir o violão nos salões da sociedade. Tinha paixão por música popular e reunia amigos para recitais de modinhas. As interpretações de Catulo da Paixão Cearense fizeram sucesso e, em 1914, incentivaram Nair de Teffé a organizar um recital de lançamento do Corta Jaca, um maxixe composto por Chiquinha Gonzaga (sua amiga).

Foram feitos críticas ao governo e retumbantes comentários sobre os “escândalos” no palácio, pela promoção e divulgação de músicas cujas origens estavam nas “danças lascivas e vulgares”, segundo a concepção da elite social. Levar para o palácio presidencial do Brasil a música popular foi considerado, na época, uma quebra de protocolo, causando polêmica nas altas esferas da sociedade e entre políticos. 

Logo após o término do mandato presidencial, Nair mudou-se novamente para a Europa. Voltou para o Brasil por volta de 1921 e participou da Semana de Arte Moderna. Resolveu voltar para Petrópolis, onde foi eleita, em 1928, presidente da Academia de Ciências e Letras. Em 9 de abril de 1929, Nair tomou posse na Academia Fluminense de Letras. Em 1932, retornou ao Rio de Janeiro, onde fundou em 28 de novembro de 1932 o Cinema Rian, na Avenida Atlântica, em Copacabana.

Dezessete anos depois, já viúva, Nair, aos sessenta e três anos, voltou a fazer caricaturas. No fim dos anos 1970, participou das comemorações do Dia Internacional da Mulher. 
Morreu no Rio de Janeiro, em 1981, no dia de seu aniversário de noventa e cinco anos.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *