O Feminino e o Sagrado um jeito de olhar o mundo

Trecho de nosso livro: Neiva fala sobre ser uma curadora

 
O meu caminho como pessoa passou muito pela margem da profissional. Eu diria que, para procurar a Neiva pessoa, a Neiva profissional me ajudou. […] sabe quando parece que você morreu e não tem história? 
A minha depressão era assim: era como se eu tivesse morrido e não tivesse história. Eu não me lembrava de nada de mim. 
Então comecei a atender e ouvir as histórias das pessoas. Cada história de cliente foi acordando dentro de mim a minha história. 
É como se através da história deles eu fosse recuperando a minha. […] acho que, todo o tempo, o que eu mais trabalhei foi realmente ser um curador.”

Pagina 55 de O feminino eo sagrado – mulheres na jornada do herói, Ed Ágora

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *