O Feminino e o Sagrado um jeito de olhar o mundo

Malévolas somos todas


 Quem nunca quis vingar-se de alguém – e as vezes vingou-se mesmo – por uma ofensa ou mágoa? Quem nunca queimou de raiva ou revidou um golpe de um ex, de uma amiga/o, parente? Atire a primeira pedra em Malévola quem nunca se deixou levar, pouco que seja, pelo lado negro da força. Por isso é difícil não nos identificarmos, em algum nível, com a vilã  que reage mal à dor da rejeição. Ela é traída, diz que não vai mais amar mas… Não vou contar o resto. Só digo que a cena do beijo é uma brilhante, ampla e tocante reinvenção da palavra amor.
Os contos de fadas costumam dividir os personagens em bons ou maus, mas essa fronteira é rompida neste filme da Disney. Não completamente, porque outro personagem acaba virando o vilão mau-mau, mas mesmo assim vale a superação desse limite.
Claro que isso é uma heresia para os xiitas que pensam que não se pode mexer nos contos de fadas. Eles se esquecem que desde sempre os contos foram adaptados aos costumes e ao linguajar das sociedades para as quais migravam. Não acredito que seja uma boa ideia transforma-los em bíblias, sagradas e engessadas.  Eles estão muito vivos, portanto podem receber versões contemporâneas sem perder a força nem anular a versão antiga. Contemporâneo aqui indica que felizmente já estamos maduras o suficiente para aceitar que não podemos querer ser apenas perfeitas  princesas, mas que nosso ladinho mau precisa ser reconhecido para que não nos domine pelas costas. É essa consciência que nos possibilita lidar com os impulsos agressivos.
Ninguém melhor que Angelina Jolie, com sua face angulosa e presença marcante, para fazer Malévola; também os efeitos especiais espetaculares, a trilha sonora de primeira, a própria filha da Angelina como a Bela Adormecida menina e os cenários desta super-produção são empolgantes para os amantes das histórias de fadas – ou, no caso, das histórias de bruxas.
Andrea Fortes, este post foi inspirado por seu email sobre esse filme… Gracias!
Post de Bia Del Picchia

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *