O Feminino e o Sagrado um jeito de olhar o mundo

MULHERES MARCANTES: Georgia O’ Keefe ( 1887 – 1986)

Georgia O´Keeffe foi uma das primeiras mulheres a alcançar um sucesso indiscutível na pintura norte-americana.
Ela nasceu e cresceu em uma fazenda em Wisconsin. Desde a juventude suas habilidades foram rapidamente reconhecidas e encorajadas pelos professores. Quando terminou a escola, em 1905, O’Keeffe resolveu seguir seu caminho como artista. Estudou em Chicago e  Nova Iorque e em 1908 venceu o prêmio League’s William Merritt Chase , porém logo depois, parou de pintar, dizendo que nunca conseguiria alcançar sucesso trabalhando nisto.
Seu interesse por arte foi renovado quatro anos depois quando fez um curso de verão  com Alon Bement que apresentou a O’Keeffe as ideias  do artista e professor de artes Arthur Wesley Dow. Dow acreditava que o objetivo da arte era a expressão das idéias e sentimentos pessoais do artista. As idéias de Dow deram a O’Keeffe uma alternativa para a pintura e ela as experimentou por dois anos, enquanto ensinava artes em escolas públicas ou trabalhando como assistente de Bement. No outono de 1915, quando ensinava artes na  Carolina do Sul, ela decidiu colocar as teorias de Dow em teste. Em uma tentativa de descobrir uma linguagem pessoal através de que ela pudesse expressar seus próprios sentimentos e idéias, ela começou uma série de desenhos abstratos a carvão, que foram reconhecidos como os mais inovadores da arte americana da época. O’Keeffe enviou alguns dos desenhos a um colega de Columbia, que os mostrou para um fotógrafo internacionalmente conhecido e empresário de artes, Alfred Stieglitz, em 1916.

Stieglitz começou a se corresponder com O’Keeffe e expôs 10 de suas obras abstratas de carvão, em sua famosa galeria avant-garde, 291. Um ano depois, ele fez uma exposição unicamente com as obras dela. Em 1918 ele ofereceu apoio financeiro a O’Keeffe, para pintar por um ano em Nova Iorque ela aceitou. Stieglitz trabalhou assídua e efetivamente para promover O’Keeffe e seu trabalho, mas também se envolveram amorosamente, casaram-se em 1924 e viveram uma reação tremendamente tumultuada, com inúmeras traições da parte dele – inclusive com uma tentativa de suicídio dela em função disso – até a morte dele em 1946.
Em meados dos anos 20, O’Keeffe começou a pintar retratos em grande escala de flores. Elas estão entre suas pinturas mais conhecidas. Tinha já se tornado uma das artistas mais importantes e bem sucedidas dos Estados Unidos.

 



Três anos após a morte de Stieglitz, O’Keeffee mudou de Nova Iorque para o Novo México, onde as deslumbrantes vistas e paisagens tinham inspirado seu trabalho desde 1929. O’Keeffe continuou a trabalhar com óleo até o meio dos anos 70, quando problemas de vista a forçaram a abandonar a pintura. Continuou a trabalhar com lápis e aquarela ecom objetos de argila até sua saúde falhar, em 1984. O’Keeffe morreu dois anos depois, aos 98 anos

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *