O Feminino e o Sagrado um jeito de olhar o mundo

O caminho menos percorrido, de Robert Frost


De vez em quando todo mundo pensa: – “E se eu tivesse feito outra coisa em vez da que fiz? Onde minha escolha me levou e onde outra escolha teria me levado? Qual foi o ponto a partir do qual minha vida tomou um rumo decisivo, e nada nunca mais foi o mesmo..? ”  Ainda mais, para as escolhas do aqui-agora, essa poderosa poesia nos leva a pensar nas aventuras de caminhos menos populares. 
A foto é minha, tirada enquanto hesitava entre duas trilhas de um bosque (pois de uma maneira ou de outra as escolhas nunca terminam de fato) e o vídeo-poema foi feito por João Gabriel.     
 O caminho menos percorrido

Robert Frost

Num bosque amarelo dois caminhos divergiam,
e lamentando não poder seguir os dois,
e sendo apenas um viajante, segui
um deles o mais longe que pude com o olhar,
até onde se perdia na mata.

Tomei o outro que me pareceu mais belo,
oferecendo talvez a vantagem
de uma relva que se podia pisar,
embora o estado de ambos fosse o mesmo
e naquela manhã eles fossem iguais.

Ambos estavam sob relvas

que nenhum passo enegrecera.

Oh,  guardei o primeiro para outro dia!

mas como sabia que caminhos se sucedem a caminhos
duvidei que um dia voltasse.

Hei de contar isto suspirando,
daqui a muito tempo, nalgum lugar:
dois caminhos divergiam num bosque, e eu
segui o menos trilhado.

E isso fez toda a diferença. 

 

 post de Bia Del Picchia

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *