O Feminino e o Sagrado um jeito de olhar o mundo

Monika von Koss e a tradição celta feminina descoberta em Findhorn

A tradição celta é uma tradição feminina. De todas, é a única que está preservada como uma tradição feminina. O que caracteriza os celtas, diferentemente dos semitas que se agregaram em torno de um Deus masculino, é que eles se agregaram em torno da Deusa.

Aí eu encontrei meu tema: as deusas, o feminino. E eu só podia chegar à Deusa: a minha vida inteira eu rezei para a mãe do céu. A minha busca, a vida inteira, foi do feminino. Eu tive um pai que cuidou de mim e que me deu estrutura. Mas a minha busca sempre foi a da mãe!

E me lembrei de uma experiência muito forte, de quando fui a primeira vez para Findhorn. Eu fui de Londres para lá de trem leito. Demora doze horas para chegar. De madrugada, acordei com a sensação de que estava chegando em casa. Olhei para fora da janela e era a fronteira entre Inglaterra e Escócia.

Então, aquela terra eu conheço; tenho a forte sensação que aquela terra eu conheço de fato. Eu tinha 43 anos, e foi a virada. Eu percebi que em Findhorn eu mudei de lado: eu fui como aluna e voltei como mestra.

4 comentários

  1. Bia, me identifico muito com essa fala da Monika: a vida toda eu também venho buscando a grande Mãe.
    Lindo!
    Bjs

  2. Eu também, Wanice! E hoje mais que nunca…

  3. Domênica Minóia Trindade disse:

    Estou lendo esse livro e me identificando muito com a força do Sagrado Feminino. Muita gratidão.

    1. crisbalieiro disse:

      É muito bom ler histórias de mulheres e suas busca, não Domênica?
      Abraço
      Cris

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *