O Feminino e o Sagrado um jeito de olhar o mundo

Um novo projeto

Sou movida a coisas novas que eu crio, invento! Estar fazendo coisas que nunca fiz me faz sentir VIVA de verdade! 
Desde o começo desse ano, estou desenvolvendo um novo projeto: desenhar e escrever pequenas biografias de mulheres brasileiras que trouxeram sua marca, no passado recente ou remoto, para a nossa história, cultura, arte, sociedade. E quero fazer isso para crianças, para que as meninas tenham também modelos de “heroínas” baseado em mulheres reais e não só modelos de heróis! 
Talvez isso se torne um blog, uma categoria dentro desse blog, talvez vire um livro; não sei. Qualquer ou quaisquer que sejam os canais, quero começar no início de 2016 e trazer 50 mulheres, das mais conhecidas as menos conhecidas; pretendo com isso também resgatar a memória de tantas mulheres bacanas e hoje quase totalmente esquecidas.
Tenho a sensação que parte desse projeto é feito pela minha menina recriando suas princesas. 
Hoje, aqui, quero mostrar um pedacinho dessa minha nova jornada. 

CHIQUINHA GONZAGA

Francisca Edwiges, conhecida como Chiquinha, nasceu em meados do século XIX no Rio de Janeiro. Desde pequenininha ela amava a música! Ganhou do seu pai um piano quando tinha 9 anos e com 11 fez sua primeira canção. Foi uma mulher muito ousada e corajosa. Na época que ela viveu, no Brasil, as mulheres só tocavam piano nas casas para a família e só podiam tocar valsas e músicas eruditas. Chiquinha quebrou essas regras e muitas outras, não sem passar por coisas difíceis por causa disso, mas também sem nunca desistir dos seus sonhos. Compôs e tocou música popular: marchas, polcas, choros e maxixes, deu aulas de piano e tocou piano em lojas de instrumentos musicais para poder se sustentar.(…) Chiquinha também participou da vida política do país, se envolvendo ativamente da campanha pela abolição dos escravos e pela proclamação da república. (…) Morreu velhinha, com quase 90 anos.(TRECHOS)

4 comentários

  1. Carol Costa disse:

    Cristina, meu voto é de que transforme tudo em um livro… Fico imaginando presentear a minha afilhada com ele… Quanto empoderamento!!! Muito linda a ilustração!!! Beijos!!!

  2. Obrigada, Carol! Vou gostar muito também de ver todas essas mulheres e suas histórias em livro; vamos ver!
    Bj

  3. Que bom, primo querido, está sendo uma delícia desenhar e escrever as historinhas dessas mulheres e pensar em pequenas e pequenos lendo!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *