O Feminino e o Sagrado um jeito de olhar o mundo

As árvores ocultas das mulheres, por Clarissa Pinkola Estes

Por baixo de uma arvore existe outra, feita de raízes, que sustenta e nutre a de cima. Igualmente, sob a pele de uma pessoa há outra, feita de luz, que a sustenta e nutre. Essa idéia de Clarissa, que inspirou o texto que postei semana passada, me inspirou esse desenho e alguns belos sonhos, e espero que a inspire também.
  
“Toda árvore possui por baixo da terra uma versão primeva de si mesma. Por baixo da terra, a árvore venerável abriga “uma árvore oculta”, feita de raízes vitais constantemente nutridas por águas invisíveis. A partir dessas radículas, a alma oculta da árvore empurra a energia para cima, para que sua natureza mais verdadeira, audaz e sábia viceje a céu aberto.
O mesmo acontece com a vida de uma mulher.
Como a árvore, não importa em que condições ela esteja acima da terra, exuberante ou sujeita a enorme esforço… por baixo da terra existe “uma mulher oculta” que cuida do estopim dourado, aquela energia brilhante, aquela fonte profunda que nunca será extinta. “A mulher oculta” está sempre procurando empurrar esse espírito essencial em busca da vida… para cima, para que atravesse o solo cego e consiga nutrir seu eu a céu aberto e o mundo ao seu alcance.
Seus períodos de expansão e reinvenção dependem desse ciclo.
Você já amou uma árvore? Se amou uma floresta ou uma árvore, sabe que existem árvores que, apesar de tudo o que tenha dado errado, conseguem enganar a todos — e sobrevivem para contar e ensinar sobre seu admirável retorno à vida.
É mais uma vez o estopim dourado.”
 A ciranda das mulheres sábias, de Clarissa Pinkola Éstes

Post de Bia Del Picchia

7 comentários

  1. Que texto maravilhoso! Bjs, amadas!

  2. Que bom te ver por aqui, beijão!

  3. Carol Costa disse:

    Texto lindo! Eu amo uma árvore que todos dizem ser feia… Ela mora em nosso jardim… Todos acham que devemos cortá-la. Mas as borboletas não. E nem os beija-flores… Não preciso dizer mais nada, né?

  4. Nem diga, só resista à pressão! Uns 20 anos atras, a prefeitura queria cortar um flamoboyant na frente da minha casa, que não estava doente nem nada assim. Fiquei ao lado da arvore, dizendo que teriam que me cortar junto. Ela está lá até hoje. Resistimos. beijão

  5. Carol Costa disse:

    Linda história! Quanta conexão, Bia! Obrigada pelo conselho!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *