O Feminino e o Sagrado um jeito de olhar o mundo

Mistérios de Elêusis: 20 séculos de segredos do feminino sagrado

Os Mistérios eram os segredos mais bem guardados da antiguidade!  Eles eram basicamente um ritual iniciático, uma espécie de procissão de 20 km entre Atenas e o Templo situado na pequena vila de Elêusis que culminava num…mistério, justamente.

Imagine que esse ritual começou por volta de 1580 a.C e foi feito durante 20 séculos seguidos por mais de 3 000 pessoas por ano –  e todas ficaram de boca fechada! Incrível, né?

Acontece que eles honravam e respeitavam os mistérios. Mistério vem da palavra grega mystérion que significa “coisa secreta”, “ação de calar a boca”; místico (mýstes) é “o que se fecha, o que guarda segredo, o iniciado que penetra os mistérios “, e mistagogo é o condutor, o sacerdote encarregado de iniciar nos mistérios.

O que sabemos dele hoje é principalmente sobre as etapas da iniciação (que levamos no 16 Encontro de Mitologias), que foram narradas por alto por alguns gregos ilustres como Ésquilo, Pausânias, Píndaro. Temos também informações divulgadas pelos cristãos, mas aí com o objetivo de desmoralizar o evento e o paganismo.

Esse ritual só acabou porque no fim do século IV D.C as religiões pagãs e seus rituais foram proibidas pelos governantes cristãos e o imperador Teodósio mandou destruir a picareta os templos. Era o fim do paganismo – no papel, porque Zeus, Deméter e Dioniso ainda reinaram por muito tempo, embora sem templos. Mas o local ficou abandonado até o sec 18 quando começam a fazer escavações arqueológicas.

Mas o que isso interessa para nós hoje? Muito, porque nos faz bem olhar as vozes caladas das mitologias femininas – e esse era um ritual que se baseava na mitologia de duas grandes deusas Mãe e Filha, Demeter e Perséfone.  Os Mistérios de Elêusis provavelmente tem raízes no Egito e/ou Creta, em sociedades matrilineares ou matriarcais agrarias. Segundo Junito Brandão, “de certa forma, a deusa de Elêusis prolonga o culto das Grandes Mães do Neolítico.”

É de novo uma tradição da Grande Mãe, muito feminina (talvez por isso irritou os cristãos), e de que vou falar mais no próximo post.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *