O Feminino e o Sagrado um jeito de olhar o mundo

Terceira tarefa de Psiquê: coletar sua parte da água da vida na fonte perigosa

A terceira tarefa de Psiquê é a mais perigosa até agora: ela deve trazer para Afrodite uma jarra cheia da água da fonte que alimenta dois rios infernais, o Cocito e o Estige. A fonte está numa paisagem aérea de pesadelo: no alto de um penhasco inalcançável, guardada por dragões que não piscam. As próprias águas gritam para Psiquê: “Você morrerá aqui, fuja”! Ela ficou petrificada: não tinha jeito de conseguir nem mesmo escalar o rochedo, e ainda gravida como estava!

Mas por ali passava a águia de Zeus, que se lembrou de um favor que Eros havia feito ao deus dos deuses e resolveu ajudá-la. A águia pegou a jarra das mãos dela, passou voando entre os dentes dos dragões, encheu o vaso e o entregou a Psiquê, que o levou para a deusa.

Essa tarefa tem vários significados.

Primeiro, significa que Psiquê precisa aprender a perceber quando uma tarefa está além dela e que deve aceitar ou pedir ajuda ou irá fracassar. Segundo, a águia simboliza a capacidade de ver a paisagem de uma perspectiva distante e mergulhar para captar o que é necessário. Em outras palavras, essa tarefa exige que se olhe algo de uma perspectiva mais alta e com mais distância emocional. Psiquê deve aprender a ver as situações de um nível menos envolvido, com menos identificação, mas sem desistir de seu objetivo.

Terceiro, a própria águia que paira nas alturas remete ao mundo espiritual mais elevado, a uma intuição sublime. É  uma graça que vem do alto respondendo à honestidade e coragem de Psique. Essa também é uma forma de ajuda, a mais elevada de todas.

Por fim, repare que essa fonte, na verdade uma cachoeira, liga o lugar mais elevado com o mais baixo através do elemento ar. E é do ar que chega a ajuda de Psiquê, a águia de Zeus, um princípio masculino. A cachoeira que cai do mais alto para o mais baixo une essas polaridades, e a águia ligada ao masculino que ajuda o feminino já fala da união de opostos que faz parte da jornada de Psiquê ligando o alto com o baixo, o divino com o humano, o masculino com o feminino.

Como mulher e humana Psiquê pode dar limites concretos à força motriz da vida representada pela cachoeira – por exemplo na gestação de um filho ou de um projeto – moldando “a parte que lhe cabe nesse fluxo incessante”. Assim, nessa tarefa Psique também aprende a se apropriar do que é seu, ainda que em um frágil vaso de cristal.

As interpretações acima são baseadas em livros de Eric Newmann, Marie Louise von Franz, Carol Gilighan, Barbara Hubere Jean Shinoda Bolen.

 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *