O Feminino e o Sagrado um jeito de olhar o mundo

Mentalidade do sec 17 com tecnologia do sec 21

O populismo autoritário tem horror à modernidade e ao progresso, diz Steven Pinker no livro “O novo iluminismo: em defesa da razão, da ciência e do humanismo”.

Ele afirma que, para esses extremistas, “a erosão da autoridade da Igreja no Iluminismo do sec 18, o estado laico e o “afrouxamento dos sólidos fundamentos morais” do sec 20 deixou nossa civilização na beira do abismo”.

Daí, mesmo sem saber disso, nem absolutamente nada de história e nem de onde vieram suas ideias autoritárias, a noção de muitos governantes e seus seguidores sobre como deve ser uma sociedade são anteriores ao Iluminismo Humanista do sec 18.

Era a mentalidade da maioria das pessoas do sec 17.

E continua sendo a mentalidade de muitas pessoas atualmente.

Então, hoje vemos a mentalidade do sec 17 usando a tecnologia do sec 21.

Pinker diz que, para essa mentalidade autoritária, “o reconhecimento do direito à vida, à liberdade e à busca de felicidade, além do mandato do governo para garantir esses direitos, são débeis demais para uma sociedade moralmente viável … (e levam a) imoralidade desenfreada, pornografia, dependência da previdência social e aborto. A sociedade deve (…) promover a conformidade com padrões morais mais rigorosos de uma autoridade maior que nós mesmos.”

Nessa concepção, a liberdade (todas: de culto, de expressão, de vida sexual, de manifestação, de reivindicar direitos, etc) é uma ameaça assustadora que deve ser rigidamente “controlada ou reprimida” pelas “autoridades maiores” (pastores, padres, pais, militares, ditadores, etc) para que todos se submetam aos seus padrões morais.

A imagem desse post retrata o julgamento de Galileu Galilei, que tentou fazer um progresso no sec 17 e se deu mal.

Ele afirmava que a terra se movia em volta do sol. Foi condenado e preso porque as autoridades religiosas e políticas da época afirmavam que essa ideia era contra a moral e contra o deus deles. Galileu ainda teve sorte de não ser queimado vivo como foi Giordano Bruno, que afirmava a mesma coisa.

Três séculos depois, pelo menos a Igreja admitiu que estava errada e o absolveu do crime de pensar cientificamente.

Quem sabe daqui a três séculos as liberdades humanas não assustem tanta gente.

Quem sabe isso acontece antes.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *