O Feminino e o Sagrado um jeito de olhar o mundo

Ginette Paris fala sobre a beleza no cotidiano


De fato, há pouca diferença entre esculpir com um cinzel sobre uma parede de pedra e bordar com linha de seda um pedaço de tecido, a não ser pelo fato de que uma é feita para durar e passar para a História, ao passo que a outra é concebida para ser desfrutada aqui e agora, para refletir o Divino em seu aspecto cotidiano.

MEDITAÇÕES PAGÃS – pág. 33

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *