O Feminino e o Sagrado um jeito de olhar o mundo

Iemanjá,a Grande Mãe que gera a vida no mar, e o que sabiam as velhas tradições


Na superfície do mar, perto das areias, nasceu Iemanjá, vestida de azul e prata, coroada pelo arco-íris Oxumaré e cercada de algas, estrelas-do-mar, peixes e corais: ali ela fez seu reino.

Olorum quis que ela desposasse Aganju, seu irmão, apenas para reproduzir filhos. Mas ela já tinha um filho, Orugã, que era apaixonado por ela e por sua inteligência. Certo dia ele tentou violenta-la. Iemanjá correu dele, correu e não percebeu que na fuga seus seios estavam crescendo. De tão pesados, eles a fizeram cair no chão – e deles nasceram as águas e com elas todos os orixás.

Os seios de Iemanjá, o arquétipo alimentar básico, alimentam a humanidade… e contêm um duplo simbolismo. Primeiramente eles representam o princípio feminino, a mãe. Por outro lado, os seios femininos também materializam a proteção, o refúgio, o lugar de repouso.

Na ideologia mortuária iorubá, morrer nas águas significa regressar à origem, ao conforto e abrigo do corpo sagrado da Mãe. Durante os duros séculos de escravidão moderna, a imagem da mãe, à qual os escravos imaginavam regressar após a morte, era a da Mãe África, o berço da cultura iorubá.

Mas de seus seios vieram os orixás, e cada orixá tomou posse de um elemento da natureza – os rios e cachoeiras, a mata, o trovão, o sol, a lua, tudo. Então, Obatalá, por ordem de Olorum, criou o ser humano, e o ser humano povoou a terra.

Cada ser humano herda do orixá de que provém suas marcas e características, propensões e desejos. Os humanos são apenas cópias esmaecidas dos orixás dos quais descendem. No entanto, além do orixá específico, somos todas e todos filhos de Iemanjá. Por isso ela é a grande Mãe.

Então, como em muitos outros mitos de criação, o par primordial é a Mãe e seu Filho, Iemanjá e Aganju. É como se houvesse uma completude básica, a Mãe que tem tudo dentro de si, a Grande Criadora, a Rainha de todas as águas, aqui no Brasil do mar.

Em termos concretos e biológicos, sabemos que a vida, não só humana mas toda vida da terra, se originou no mar – quer dizer, em Iemanjá. Ou seja, hoje sabemos pela ciência, mas antes já sabíamos pelas velhas tradições que sempre souberam das coisas.

Mais sobre Iemanjá em vários posts desse site.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *