O Feminino e o Sagrado um jeito de olhar o mundo

Um olhar mitológico para os feminismos e feminicídios

Ao mesmo tempo em que nós mulheres conseguimos mais justiça e igualdade social, o feminicídio dispara aqui no Brasil. Ao mesmo tempo em que é evidente que a destruição da natureza causa imensos prejuízos a toda humanidade, a Amazônia vai sendo destruída com o pretexto de “estimular o progresso”.

Essa contradição toda mostra que estamos num tempo de transição e mudança e que num ponto de vista mitológico indica o retorno da Grande Deusa, uma força  primordial.

Ligada ao feminino, à terra e à natureza, a Deusa era ao mesmo tempo amada e temida por nossos ancestrais porque pode trazer vida ou morte, renascimento ou finalização.

Fico me perguntando: que aspecto dela veremos no final desse ciclo?

“A Deusa está retornando.

No meio de uma tremenda transição e mudança, a Deusa está voltando.

Os papeis tradicionais do homem e da mulher na sociedade estão sendo desafiados. O apelo feminino por um novo reconhecimento surge simultaneamente a violência que ameaça perder o controle. Esta estranha coincidência confunde nossa compreensão.

Aqui a mitologia corre inesperadamente em nosso auxilio… as divindades mais antigas da guerra e destruição eram femininas e não masculinas. Essas deusas arcaicas dominavam o amor e a guerra. A elas eram creditadas tanto a castidade quanto a promiscuidade, o instinto de alimentação maternal e a sede de destruição.

Mas elas não estavam nem um pouco preocupadas com a conquista e expansão territorial. Essas obsessões eram masculinas. Em vez disso, essas deusas monitoravam o ciclo de vida em todas as suas fases: nascimento, crescimento, amor, morte e renascimento.

Evidentemente, hoje nosso ciclo ameaçado necessita da vigilância divina. Das profundezas da psique inconsciente, a antiga Deusa está se levantando. Ela exige reconhecimento e homenagem.

Se nos recusarmos a reconhece-la, ela pode liberar forças da destruição. Se garantirmos à deusa o que lhe cabe, ela pode nos guiar compassivamente pelo caminho da transformação”.

Fonte: O novo despertar da deusa, org. Shirley Nicholson, pg 79

2 comentários

  1. Neiva Bohnenberger disse:

    Uma reflexão super importante é urgente. Reconhecer as forças da deusa nos faz entender quais atitudes tomar e como, amorosamente, estarmos prontas para ação.

    1. biapicchia disse:

      Neiva, seu olhar é em si amoroso, obrigada pelo feedback, beijo

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *