O Feminino e o Sagrado um jeito de olhar o mundo

James Hillman fala sobre o poder da imaginação


Quanto mais longe no passado a imaginação alcança, mais expandidos ficamos. O nosso caráter e suas excentricidades encontram eco em carateres semelhantes, que povoam as ruas da imaginação, demonstrando qualidades essenciais libertas dos confusos disfarces usados pela própria família e amigos. A alma está sendo preenchida pela riqueza de imagens; mais ainda ela está sendo absorvida para dentro de outra imaginação, que nos expande além dos limites da nossa condição real.

A FORÇA DO CARÁTER – pág. 57

2 comentários

  1. Bibi Cunha Joaninha disse:

    Queridas Cris e Bia,
    Venho pensando, arduamente, em quem matou as fadas dançantes, os vagalumes verdes fluorescetes, as borboletas azuis, entre tantas outras possibilidades criativas e claro, imaginativas, das cabecinhas das crianças!!
    Adentrar ao universo infantil percebo que a maioria do próprio universo infantil adulto está congelado num mundo além do distante!! E sabem, me assusto com isso…
    Usar a imaginação é usar as infinitas possibilidades de mundos possíveis sim para o futuro e eu, sendo professora, vejo que isso é ou está sendo uma prática que, raramente, os adultos de hoje, desse século que já nasce tortuoso (como os outros – risos) se disponibilizam em cultivar a tal da dona imaginação!!
    Eloquente que sou, sigo no meu desafio de não deixar que nenhuma criança adormeça antes da hora e assim, siga se permitindo vislumbrar mundos de outros mundos, sem tempo, sem obrigação, sem reclamação! ahahah
    De fato, o poder da imaginação existe – foi ele que me trouxe aqui (;
    (segreeeeeeedo)
    A M E I !!
    Bibi Cunha 🙂

    1. biapicchia disse:

      Bibi, então você está levando as fadas, vagalumes e borboletas a suas crianças, tenho certeza que tanto os pequenos como as fadas se encantam com sua eloquencia poetica! beijooo

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *