O Feminino e o Sagrado um jeito de olhar o mundo

O que as mulheres ensinaram para Gandhi

A força dos círculos de mulheres num contexto de aumento de consciência e ao mesmo tempo como método ou tática tem uma relevância que muitas de nós desconhecem, como mostra essa incrível história que Gloria Steinem conta em seu livro de memórias, Minha vida na estrada.
Durante a década de 1950, ela passou dois anos na Índia. Lá visitou vilas no interior, buscando vivenciar a mudança trazida pela luta da independência liderada por Gandhi e participou de várias reuniões com os aldeões. Diz Gloria: “Pela primeira vez testemunhei a magia ao mesmo tempo antiga e moderna de grupos nos quais qualquer um pode falar, cada um na sua vez, todos devem ouvir, e o consenso é mais importante que o tempo […] eu podia ver que, porque os seguidores de Gandhi sabiam ouvir, eles também eram ouvidos”.
Quando Gloria voltou à Índia no final da década de 1970 a fim de compilar as táticas de Gandhi para que fossem usadas pelos movimentos feministas, entrevistou Kamaladevi Chattopadhyay, líder que havia trabalhado lado a lado com ele. Essa mulher a surpreendeu, dizendo que “nós (as mulheres) ensinamos a ele tudo que ele sabia”.
Ela disse que Gandhi testemunhara a grande mobilização das mulheres indianas contra o sati, a imolação das viúvas nas piras funerárias dos maridos, e que isso o tinha inspirado a criar um modo de mobilizar pessoas. E que, quando vivia na Inglaterra, ele testemunhou o movimento das mulheres que lutavam pelo direito ao voto e depois, na Índia, encorajou os ativistas a usar as corajosas táticas das sufragistas inglesas. Enfim, a base de tudo eram as rodas de conversas e a resistência não violenta.
E Gloria conclui: “Conhecíamos a História com base na Teoria do Grande Homem e não sabíamos que as táticas às quais queríamos recorrer eram nossas”.

Trechos do livro CÍRCULOS DE MULHERES – as novas irmandades

1 comentário

  1. Uma das mulheres que Gandhi conheceu foi a suffragette Charlotte Despard, líder da Liga da Liberdade das Mulheres (Woman’s Freedom League), vegetariana e defensora dos animais como ele.

Deixe um comentário para Escola Feminista Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.