O Feminino e o Sagrado um jeito de olhar o mundo

Relatos míticos da deusa Pele


Pele é a deusa havaiana dos vulcões e do fogo, da destruição e criação da Terra e da dança sagrada. Ela é uma Malihini, ou seja, uma deusa que “imigrou” para o Havaí com a colonização polinésia. Pele foi incorporada à mitologia havaiana e hoje é a deidade mais conhecida e reverenciada desse panteão.

Contam que a deusa nasceu no Taiti, filha de Haumea, deusa da Terra e Kane Milohai, deus do Céu. Quando Haumea estava grávida, os anciãos da tribo disseram que o nascimento ocorreria quando a noite estremecesse, o céu se abrisse em luz e ocorresse uma enorme tempestade; seria uma “criança sagrada”. Quando nasceu podia-se ver o brilho do fogo refletido nos olhos da menina; ela foi chamada de Pele.

Desde pequena Pele demonstrou ter temperamento forte, passional e explosivo e por causa disso, quando jovem acabou sendo expulsa de casa por seu pai. Banida da sua ilha natal, Pele saiu mundo afora velejando, seguindo uma estrela a noroeste. Antes de partir seu tio Lonomakua, guardião do Fogo lhe deu um bastão mágico, o Paoa, para acender o fogo em sua nova morada. O deus Tubarão Kamohoalii a protegeu durante toda sua navegação pelo oceano. Após uma longa viagem, numa manhã ela avistou ao longe um nevoeiro no alto de um cume em uma grande e linda ilha e soube que tinha encontrado sua nova morada: era o Havaí.

Desembarcou e carregando seu bastão mágico, subiu a montanha, que na verdade era um vulcão. Deu a ele o nome de Kilauea e construiu sua casa na cratera Halemaumau. Usou o Paoa e criou várias outras crateras vulcânicas.
O Kilauea, localizado a sudeste da maior ilha do arquipélago do Havaí é um dos vulcões mais ativos do mundo e toda vez que entra em erupção, os nativos dizem que é Pele se expressando.

As erupções desse vulcão fazem a ilha aumentar de tamanho porque parte da lava que escorre, rica em minerais, ao cair no mar e esfriar vai se transformando em terra. Dessa forma, ano a ano, a ilha vem expandindo seu território. Então Pele é o fogo que destrói mas também é aquele que constrói. Ela é a que tira a vida com fluxo destruidor da lava e aquela que dá a vida e a faz florescer com as terras férteis criadas também pela lava. Por isso Pele é chamado nos cânticos sagrados havaianos de Pele Honua Mea que significa “Aquela que dá forma à Terra Sagrada”.

Antes da chegada do homem branco nas ilhas, as sacerdotisas de Pele usavam roupas com as mangas e barras queimadas além de carregar uma vara simbolizando o bastão Paoa. Mas, apesar das novas crenças, a presença de Pele ainda é bastante marcante na história do povo havaiano, tanto como culto quanto em suas manifestações vulcânicas permanentes.

Para demonstrar sua devoção à Deusa, os havaianos a glorificam com cantos e danças sagradas. Estas danças sensuais e místicas se denominam Hula e são um dos únicos vestígios da antiga vida havaiana. Os nativos acreditam que os sons da hula não são compostos por mortais, mas pelo espírito de Pele que incorpora e os transmite a seus cultuadores. Acreditam também que todos que dançam a hula estão possuídos por ela: a Hula e Pele são indissociáveis.

Ainda hoje, muitos havaianos consideram a deusa como sua Aumakua ou Espírito Guardião e levam para ela oferendas de peixes, flores e frutas.

Trechos do livro O LEGADO DAS DEUSAS 2

1 comentário

  1. Rosa Corumba disse:

    Bom dia! Excelente artigo! Parabéns!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.